Avançar para o conteúdo principal

Origem dos Orgasmos

Photographed by Mac


Esta história dos orgasmos protagonizada pela Gala, pelo Tacitus e pelo Pedro Alex, fez-me lembrar uma outra história acerca da origem dos ditos cujos, e que reza assim:

Nos princípios dos tempos, aquando da criação do homem e da mulher, Deus resolveu presenteá-los com algo. E então disse: "Tenho aqui 2 presentes para vocês. O primeiro deles é um apêndice que serve para urinar de pé."
O homem, impulsivo como sempre, e adorador de gadgets como ainda é, disse "Eu quero esse!!", e agarrando no dito apêndice, começou a urinar em tudo o que era árvore, a fim de experimentar o material, enquanto a mulher olhava impávida e serena para tudo aquilo.
Deus sorriu tranquilamente para a mulher e disse: "Tu ficas com o segundo presente: orgasmos múltiplos."

Comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Saudações
    Em uma frase: Isto é injusto!
    Abraços

    ResponderEliminar
  3. E que belo presente ;)

    Até outra Magia ;)

    ResponderEliminar
  4. Bem... poderia falar da qualidade versus quantidade, mas, mas não me apetece!

    Que usufruam desses multiplos que nós damos umas mijas nos toros das árvores... que coisa, o que tu me fazes escrever!

    Vou, até outro desinstante...
    Kiss

    ResponderEliminar
  5. ahahahaha, malandra;);) Eu conhecia esta história com outro final que vou citar: "Tu ficas com o segundo presente: Inteligência". :):) Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  6. Essa versão não conhecia, Aflores. De qualquer maneira, parece-me que a mulher fica sempre a ganhar, eh, eh, eh.

    ResponderEliminar
  7. Existe na mulher uma sabedoria inata. As precipitações nunca dão bom resultado... ;)**

    ResponderEliminar
  8. Adoro estas sinergias, estas cumplicidades entre bloguistas.

    o homem impulsivo, a mulher serena...é o ke dá :) lol

    beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Ficamos com o melhor presente hi hi! E os orgasmos femininos, segundo dizem, são mais intensos e mais longos...
    Ó mac bem podias fazer um post sobre o Porto para eu tentar perceber o que é que tu vez naquela cidade de tão especial!

    ResponderEliminar
  10. Genial!!!!! Era este o pedaço que faltava para encerrar a discussão de forma...múltipla ;) Abraço!

    ResponderEliminar
  11. Gala16:04

    meu kerido tacitus, o tema não está encerrado. falta o enigma. ;) já o tenho.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  12. Gd final... :) gd presente. nós aceitamos de bom grado. bj

    ResponderEliminar
  13. Mas muito melhor porque dura bem longo. Enquanto que...só com Duracell. Aqui, amigos, good bye no soninho!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...