Avançar para o conteúdo principal

Visões Nocturnas





Photographed by Mac
Estas fotos foram tiradas dos jardins do Solar do Vinho do Porto. Um local a visitar, para ter uma conversa aprasível, ler um bom livro, ter um momento calmo e beber um Cockburn's Special Reserve.

Comentários

  1. Pois...Essas paisagens são um dos grandes pontos positivos! Adoro quando vou de autocarro para a terrinha, pela Expressos e eles vão a Gaia para apanhar a ponte do Freixo,no fim da tarde... O pôr-do-sol no rio Douro hummm

    ResponderEliminar
  2. agr deixaste vontade de ir visitar.... :)

    ResponderEliminar
  3. Olá Mac:)
    Já agora, lol, aconselho, de dia, um passeio pelos caminhos do romântico, mesmo ao lado do solar.
    Ainda não percebi como um produto turistico de tão grande qualidade está destinado ao desleixo pelo nosso "amado" presidente da câmara.
    Apetece-me dizer que nessa matéria o gajo é um... ok!
    Parabéns pela sensibilidade da fotografia.

    ResponderEliminar
  4. Belas fotos e uma óptima sugestão! **

    ResponderEliminar
  5. Só uma pergunta: Aqueles traços azuis são Ovnis?
    Bem... se levasses essas imagens para uma exposição sobre o assunto eras capaz de ter futuro ;)

    ResponderEliminar
  6. Quanto ao Presidente da Câmara, tudo o que toca a cultura o gajo é um cepo.

    ResponderEliminar
  7. Vou colocar na agenda, estou a planear uma viagem as margens do douro.

    Gude uiquende per tê
    Até outro desistante!

    (Foto gira, brincas com a cor... quase que parece as fases do dia)

    ResponderEliminar
  8. Mto interessante... :) gstei dos dias q passei no Porto... e das pessoas. bj

    ResponderEliminar
  9. O teu entardecer começa aqui... E com uma bela sugestão...

    ResponderEliminar
  10. Fica registada a sugestão :)

    E que bonita sugestão...


    Um abraço estranho para ti **

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...