Avançar para o conteúdo principal

Casa do Alentejo

Quem passeia na Rua das Portas de Sto. Antão, em Lisboa, e passa pela porta cujo número é o 58, não imagina o que se esconde por trás daquela porta, aparentemente igual a tantas outras e sem qualquer atractivo de especial. É a Casa do Alentejo, que foi edificado para confratenização dos muitos Alentejanos que imigraram para a grande cidade em busca de melhores condições de vida. Hoje em dia, pode-se assistir a tertúlias, cantares, e concertos de piano, principalmente ao Domingo. E quem se pode esquecer do restaurante? O bom vinho alentejano, a boa comida (principalmente as migas com carne. Humm...), as doces sobremesas. E que sobremesas!! O pão de rala, a sericaia... Tudo para aumentar as calorias, mas vale a pena. Recomenda-se vivamente uma visita à Casa do Alentejo.

E a propósito da palavra "Centro" no Palavra puxa Palavra, deixo-vos aqui algumas fotos da Casa do Alentejo, em Lisboa (vejam lá se não vale a pena a visita).



































Photographed by Mac

Comentários

  1. vou já anotar essa :)
    vou a Lisboa pra semana e talvez dê para passar lá e ver ao vivo.
    boa semana , beijo*

    ResponderEliminar
  2. Apetitosas as fotos, apetece saltar directamente para esses locais.

    ResponderEliminar
  3. Saudações
    ...um belo sítio, sem dúvida!
    Abraços

    ResponderEliminar
  4. É, de facto, um espaço belíssimo a que as tuas fotos fazem jus. Vale a pena visitar. **

    ResponderEliminar
  5. Fiquei curioso. Quem sabe um dia...

    ResponderEliminar
  6. Vale a pena visitar, sem dúvida. A gastronomia alentejana é irmã do meu paladar. E o sitio é deveras esplendido. Um abraço ;)

    ResponderEliminar
  7. Obrigada! Já tinha apontado por causa da linda estátua e azulejos, há semanas no PPP. Agora, fiquei de "fascínio" com estes arabescos. Podias ter dito que foste às Arábias que a gente acreditava! Bjinho

    ResponderEliminar
  8. Ola Mac:)

    A Gastronomia alentejana dá-me montes de saudades...
    As imagens explendidas mostram estílo árabe...
    A mistura parece-me explosiva:))
    Gostei, obviamente que numa das minhas próximas jornadas a lx, se tiver oportunidade, procurarei a casa do Alentejo
    Bjh

    ResponderEliminar
  9. Anónimo14:28

    ola eu sou empregada da casa do alentejo,tiras t umas boas fotos e se tivesses acesso aos sitios q so nos temos ias ver q ias encontrar mais coisas fantasticas loiças moveis etc.tudo guardado no sotão e purão esqueces t foi da muralha fernandina q se ve na 3 janela do lado esquerdo do salão agustinho fortes "e o mais pequeno"!!!! bjx

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...