Avançar para o conteúdo principal

Sapatos

Esta coisa de comprar sapatos é uma chatice do caraças...
Uma pessoa entra na sapataria, e é uma verdadeira aventura. Parece a demanda do Santo Graal. Ou porque os sapatos são bicudos; ou porque são abertos e como as noites ainda são frescotas, lá se apanha frio nas patas; ou porque são todos tapados e depois tem-se calor nos pés; ou porque apertam; ou porque os pés ficam a nadar; ou porque deixam entrar água...Uf!!
Pergunto-me como fez a Ciderela, com os seus sapatos de cristal. Para já, não deviam ser nada maleáveis, e ainda por cima teve de dançar em cima daquela coisa...E resta saber se o principe valia a pena todo o trabalho que a fada madrinha teve.
Pois é Cindy, mais valia teres ido de sapatilhas...


Comentários

  1. as sapatilhas seriam sem duvida mais confortáveis, mas para o caso (e só para o caso) perdia-se todo o encanto!!!

    ResponderEliminar
  2. Este texto provocou-me um sorriso aberto...quando a oferta é enorme, a escolha entra em poderosas duvidas. Bom fim-de-semana ;)

    ResponderEliminar
  3. Olha que tens razão! Acho que os sapatos, hoje em dia, são muito bonitos de ver, mas terrivelmente desconfortáveis de usar! **

    ResponderEliminar
  4. De acordo. Todos os anos comprava umas "sabrinas"...fazia parte do meu glamour! E assim, flutuava pela vida. Bjinho

    ResponderEliminar
  5. Claro que a fada madrinha nem olhava ao trabalho pois o Príncipe valia a pena, Mac, pois era mesmo um Príncipe de verdade, daqueles que nascem filhos de Rei, de Arqui-Duque, de outro Príncipe ou até de Imperador, um Príncipe com pregaminhos e não daqueles que foram nomeados por dá cá aquela palha nos país à beira-mar ou não saqueados... Ai desculpa-me, queria dizer plantado, país à beira-mar plantado.
    Mas já reparaste que ainda assim poderíamos abrir uma lojinha de singularidades e já não teríamos necessidade de lotear o território para o vender aos espenhóis e aos reformados do norte que querem gozar a velhice nas calmarias do sul europeu?
    Vendíamos títulos, não do tesouro que esse os camones só compravam para jogar o monopólio lá na terra deles, mas de Doutor nos mais variados ramos, de mestre em especialidades incógnitas e de Doutor mesmo em teorias do absurdo. Vendíamos figurinhas, não de cera que isso já passou à história, mas reais, como provas provadas do impossível; um Albertinho para sacar ao vizinho, uma Fatinha no Iraque que logo punha aquela gente de fraque ou um Isaltino como o Santo que faz cumprir o destino, mas também um Pintinho, coitadinho, tão sério que do mundo faria um traumatério, para não falar do Avelino que onde chega se faz o pino e... Bem, abreviando, já viram o quanto ganharíamos se vendêssemos estas figuras emblemáticas deste Pintogal do padecimento Lusitano?
    Pois, pois, o problema é esse, o problema é que em toda a parte eles são bem conhecidos, só aqui é que temos Sousas Tavares que os promovem.
    E se tentássemos vendê-los em Marte?
    É a nossa tristeza Mac, mas nem tudo é tão negro como esta...
    Mac, três coisas boas que queiras destacar em Portugal, é o que se pede "No Largo da Graça". Não queres dizer de tua justiça?
    Boa semana e bom primeiro de Maio

    Luís F. de A. Gomes

    ResponderEliminar
  6. Fangas11:20

    Mas o pior acho que é naquela parte em que só estamos a ver a oferta dos sapatos e vêm ter connosco não sei quantos empregados/as a perguntar se precisamos de algo ou de ajuda e cansa-me dizer sempre: Apenas estou a ver, obrigado.
    Que chatice até percebo o trabalho deles mas por vezes até chateia.
    Boas Férias Mac.
    Bjitos

    ResponderEliminar
  7. Sapatilhas ao poder! :D
    Porque não inventar uma sapatilha com o aspecto de sapato? Acho que as mulheres iriam agradecer.

    ResponderEliminar
  8. Gala00:39

    nao podia concordar mais ctg.
    e eu tenho uma queixa acrescida, é ke calçar o 39 não é fácil lol

    beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...