Avançar para o conteúdo principal

Fica comigo esta noite


Ele esperava ansioso por aquele momento ao fim do dia...a troca de mensagens, a excitação, as pulsações, tudo num crescendo...Quando chegava por fim ao pé dela, as roupas eram despidas num ápice e atiradas para um qualquer canto, os lábios procuravam-se desesperadamente, as mãos tocavam todo o corpo com sofreguidão e a loucura reinava naquele quarto. Só se ouviam as respirações aceleradas e os gemidos que entrecortavam o ar...

Depois da loucura do primeiro êxtase, vinha a calma e languidez a acompanhar o segundo êxtase, e assim ficavam a gozar aquela volúpia.

Ele, invariavelmente, tentava ficar por lá, e passar a noite com ela, a beijar aqueles lábios ternos, abraçar aquele corpo que ele tanto queria, amá-la e adormecer junto dela, mas ela, também invariavelmente, expulsava-o, ordenando-lhe que se vestisse e que se fosse.

"Cruel", pensava ele; "Não me quero apaixonar por ti", pensava ela. Julgava ela que, fugindo à intimidade, pudesse evitar sentir algo mais por aquele homem. Mas a verdade é que estava cada vez mais enleada naqueles negros olhos, que parecia que a liam por dentro e lhe queimavam a alma e as suas defesas...

Até que num fim de dia, tendo apenas a lua, as estrelas e as trevas como testemunhas, quando já estavam aninhados nos braços um do outro, ela murmurou-lhe ao ouvido "Fica comigo esta noite..."


Comentários

  1. um fim de semana de sonho.Blog de sonho, igualmente.
    beijinhos embrulhados em abraços.

    ResponderEliminar
  2. Como se fugindo da intimidade se pudesse evitar sentir algo......
    .........
    Queima a alma!
    Cai as defesas......

    Um pedir para ficar...
    Não fica!
    ..

    Abraço enorme **

    ResponderEliminar
  3. Tentamos proteger-nos da dor e perdemos o que existe de melhor numa relação: a doação, a entrega.
    Gostei muito do teu texto. **

    ResponderEliminar
  4. O medo, sempre o medo, que nos afasta de nós mesmos e dos outros. É bonito este teu texto.

    ResponderEliminar
  5. deixo-te sonhos das marés prateadas do meu mar.
    Beijinhos embrulhados em abraços

    ResponderEliminar
  6. obrigado pela visita e pelo "linquio" aqui neste teu tudo no nada.

    quanto ao post, muito bom. gostei especialmente "Ele esperava ansioso por aquele momento ao fim do dia...a troca de mensagens, a excitação, as pulsações, tudo num crescendo" . . .

    ResponderEliminar
  7. Entregou-se!
    Que bom...................!

    ResponderEliminar
  8. Pior que isso é haver o desejo mútuo de acontecer... Mas no fim, a realidade vence e o sonho é derrotado..

    ResponderEliminar
  9. sonhos de amor na magia da noite.
    Beijinhos embrulhados em abraços.

    ResponderEliminar
  10. Gala20:23

    :) ke bonito

    um beijo amiga

    ResponderEliminar
  11. Anónimo19:29

    acheii este textoo muitoo bonitoo ^^

    tem muitoo a ver cmigo. ainda bem que ela se entregou, foi o que fez de melhor :D

    gosto da ultima parte em qe ela diz ' fica comigo esta noite ' *.*

    beijinhoo e continua o bom trabalho *

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...