Avançar para o conteúdo principal

Sou discriminada...

«Somos cidadãos portugueses, não somos imigrantes. Por isso temos Bilhete de Identidade, por isso votamos. Queremos que o Governo trate dos nossos problemas como trata dos dos outros. Não podemos ser discriminados».
(José Fernandes, um dos elementos da comunidade cigana da Quinta da Fonte, em declarações ao Diário de Notícias)

Estas declarações é mesmo a gozar com a minha cara...com a minha e com a de milhares de portugueses que pagam impostos. Eu, se quero uma casa, tenho de ir ao banco pedir um empréstimo e ficar 30 anos a pagá-lo (e toda a gente sabe que as prestações duma casa andam numa escalada, e as dificuldades para as pagar são cada vez mais); se quiser mudar de casa, tenho de pôr esta à venda, pagar mais valias (se as houver) às Finanças, e solicitar um novo empréstimo.
O meu carro é um bolinhas já com 9 anos, e ainda tem de rolar mais uns quantos.
Se algum dia me envolvesse em confusões que metesse droga ou armas ilegais, ou se acampasse durante toda a noite em frente à Câmara Municipal, iria para o xilindró.

Estes senhores (se se pode chamar-lhes isso) têm casa quase de borla (as prestações que pagam às Câmaras é na ordem dos 30€, e mesmo assim muitos têm prestações em atraso), quando querem mudar de casa é só fazer o choradinho, têm altas bombas estacionadas à porta de casa, têm o rendimento minimo garantido, podem fazer as confusões que quizerem que ninguém lhes faz nada.
E ainda se atrevem a vir com o discurso de que são discriminados!!!
Eu, e milhares de outros portugueses, é que somos discriminados!! A estes, tratá-lo-ia-os como as sanguessugas e os parasitas que são!


Comentários

  1. pois, mas esse teu discurso não é o discurso "politicamente correcto", aquele que fica bem na fotografia da capa dos jornais. ai do político ou do candidato a ser que defenda uma coisa dessas!
    no outro dia li qualquer coisa sobre o porquê das pessoas detidas nestes desacatos não terem sido acusadas de odio racial, uma vez que é o que se passou nesse bairro, não é?!

    ResponderEliminar
  2. Um post duro, que retrata a realidade do nosso País mas que nem todos(as), têm a coragem de o fazer com tanta frontalidade.
    Parabéns. Faço minhas as tuas palavras.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo20:31

    mac
    em primeiro lugar desculpa desiludir-te quanto as tentativas da mota mas e assim: aquilo doi e arranha a serio. so agora passados quinze dias desapareceream as nodoas negras e os arranhoes ainda ca estao.

    em segundo lugar deixa acrescentar a minha queixa a tua.
    os meus impostos vao para subsidios de gente que anda a roubar. este ano tive um cigano na turma que foi transferido porque eu nao dou pao a malucos.era o unico cigano e os pais queriam que eu me dobrasse a cultura do senhor.completamente doidos.
    beijinhos da leonoreta

    ResponderEliminar
  4. Ois Mac;)
    ciganos... julgo que falas deles.
    Complicado minha cara, complicado. Não me atrevo a criticar uma raça cheia de estigmas. Aquela trampa do titoteio será assim tão casual? Não acredito.
    Superficialmente concordo com o teu desabafo, depois não sei.
    Metem-me mais impressão os majores valentins que andam por aí, fazem cagada da gorda, vivem como imperadores e depois, em tribunal, levam só um puxão de orelhas.
    Nesses a justiça é branda, aos ciganos...

    ResponderEliminar
  5. vou-me aproveitar das palavras escritas pelo senhor Pedro Alex para dizer que concordo inteiramente com elas!
    Tá tudo dito!

    ResponderEliminar
  6. Acho que fostes demasiado radical, nem tanto ao mar nem tanto à terra.

    ResponderEliminar
  7. Demasiado radical Tiago? Porquê? Não me digas que não te sentes discriminado ou injustiçado? Tu, enquanto pagador de impostos, tens de trabalhar para pagar casa, carro, água e luz, viveres na corda bamba para conseguir pagar todas as tuas prestações, e estesjos têm tudo de borla. E reclamam ainda por cima! E têm o desplante de fazer chantagem!
    Radical? Desafio-te a acampares em frente à Câmara M. de Santa Mª da Feira...Vais ver que em 15 minutos a polícia está a chatear-te para saires de lá. Desafio-te a pedires a assistência do Estado para teres uma casa de borla e vais ver a resposta que recebes...

    ResponderEliminar
  8. sátiro00:35

    Realmente algo me diz que se estão a aproveitar da situação para mamarem alguma coisa para eles.

    ResponderEliminar
  9. Não estou a par da situação, porque na hora dos telejornais, desligo a Eurosport, o único canal que está comigo, porque é em alemão e eu nunca estudei alemão .
    Não oiço alarvidades.
    Vi algo, como que andarem aos tiros, nas barbas da polícia e ninguém mexeu palheira ...
    Certamente que eram armas de plástico ... porque aqueles zelosos moradores não foram de certeza absoluta.

    Há isso de pagar a renda?
    É para os ingénuos ... felizes dos que habitam tectos Municipais, não pagam renda, água e luz ...

    Haverá melhor país para viver?

    E não só ciganos ... porque todos os povos têm comunidades espertas.

    Veja-se a nossa comunidade política.
    Como é que um indivíduo que ganhava milhares de contos, vai para ministro, secretário e até sub-secretário de estado, com salário muitas vezes, vinte vezes abaixo do que ganhavam.

    Alguém tem alguma explicação para este altruísmo ???

    ResponderEliminar
  10. Passei para conhecer uma colega das "12 palavras"...

    Beijo

    ResponderEliminar
  11. É difícil, Mac, analisar estas situações. Posso concordar contigo instintivamente, mas sinceramente custa-me muito fazer juízos de valor sobre comunidades que sempre foram discriminadas, neste país e não só. Eu ainda me lembro como eram tratados os ciganos quando eu era criança...

    ResponderEliminar
  12. "era o unico cigano e os pais queriam que eu me dobrasse à cultura do senhor"...
    antes dobrar que quebrar, né? pena que os nossos emigrantes se dobrem às culturas dos países que os recebem... e depois vêm visitar o primo pobre à província portuguesa, no seu carro azeiteiro a falar fraciú, dizendo que a França é que é e que POrtugal é uma tristeza! Esses é que são uns parasitas merdosos!!! e infelizmente são da minha raça. não posso deixar de invejar os ciganos pelo orgulho que tÊm naquilo que são, pelo esforço que fazem em manter as tradições. o medo cria o preconceito, o preconceito gera o ódio, o ódio impede-nos de compreender. Conheço peixeiras em matosinhos que vivem dos "nossos impostos", do rendimento mínimo, trabalham à margem da lei, têm grandes bombas estacionadas à porta da habitação social, mas HEY! não saõ ciganos! muito feio mac...
    pior ainda, leonoreta... preferia um cigano a educar o meu filho...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...