Avançar para o conteúdo principal

Ao fim da tarde

A chegada do fim do dia tinha um qualquer quê de mágico...sentava-me na cadeira de baloiço, velha e rangente, e ali ficava a admirar o lago que se estendia à minha frente. Diante de mim, um bule contendo chá, cujas aromatizadas colunas de vapor eu inalava, deliciando-me com o seu cheiro ...Ali ficava eu em longa conversa com o meu amor de sempre, discutindo o que nos vinha à cabeça, quer fosse as intermináveis viagens que havíamos feito pelo país, quer fosse política, com a minha posição de nefelibata a originar acessas discussões.
Poder-se-ia dizer que estávamos votados ao ostracismo naquela casa isolada, no meio de nenhures, mas preferíamos assim. Afinal onde noutro lugar poderíamos assistir a este movimento tão suave dos dias, onde poderíamos assistir a estes pores-do-sol tão intensos e tão vermelhos a lembrar as chamas do Inferno?
Ali ficávamos a conversar, até a luz do luar inundar o lago, até os seus raios tocarem notas de tom variável na superfície calma das águas, até os pirilampos sairem do seu casulo e voarem em rota quase vertical em direcção à luz....
Era um sítio mágico, aquele...


Texto publicado no 5ºJogo das Palavras, no Eremitério

Comentários

  1. Muitos deliciosos ou vaporosos ou misteriosos mas todos "das almas saídos"! Uma belíssima aposta, o livro das palavras e dos amigos!
    Quanto à rota andaluza... sinceramente não esperes muitas décadas (como eu fiz que só conhecia Sevilha de Expo 92). Uma semaninha: claro que há Granada e o Alhambra etc...mas Córdoba é tão suave de passear! E Maio/Junho já é uma boa época. Bjinhos

    ResponderEliminar
  2. Os fins de tarde são sempre assim, aproxima-se uma vaporosa nuvem que se abate sobre conversas de poetas excêntricos, que elevam os problemas que inventaram para o país real que habitam.
    Numa cabana, talvez a exclusão, depois do cair da noite, onde o luar inunda as etéreas sombras em movimento vertical, que se sucedem ao incendiar dum fogo solar, que se apagou á pouco, que nos recorda o inferno, faz-nos ouvir o tanger variável dos cantares da bicharada que se aprestam para deixar os seus casulos.
    É assim que nasce o amor numa cabana ...

    ResponderEliminar
  3. Um texto muito belo em que ligas perfeitamente todas as palavras nesta maravilhosa descrição de um fim de tarde. **

    ResponderEliminar
  4. São sempre algo de misteriosos e deliciosos, os finais de tarde;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...