Avançar para o conteúdo principal

22 Olhares








E cá está esta surpresa para todos os co-autores do nosso livro recém-nascido: a reportagem áudio dos discursos que embelezarem a apresentação do livro "22 Olhares sobre 12 Palavras" (teve de ser dividido em 3 partes para poder caber no You Tube).
Já se falou da apresentação em si, contudo ficou algo por dizer. Faltou falar do lado humano, e tantas coisas há para dizer: a apresentação emocionada da TMara; as belas palavras de Jorge Castro, que tanto falaram de Liberdade e da liberdade ainda existente nos blogues; as canções de Zeca Afonso, e mais uma vez a palavra Liberdade a bailar nos lábios, e que tanta emoção trouxe à sala.

Essa sala, onde reinou a paz e harmonia, onde se sentiu (ou pelo menos eu senti) a emoção, a cumplicidade, parecíamos um grupo de amigos de há longo tempo, apesar de sermos desconhecidos uns dos outros...
E depois conhecer rostos de quem só se tem uma referência virtual, dar uma cara, dar cores àqueles nomes que já conhecemos tão bem...

E ainda, abrir a caixa de mensagens, quer dos posts, quer dos mails, e ler linhas tão simpáticas e amigáveis como as que todos me têm escrito...

Comentários

  1. MAC - k bom. Vou já enviar anotícia a todas/os as/os coautoras/es.
    Pelo meu lado assino por baixo de tudo o k dizes. Foi um encontro de gente boa - amigos da alma - onde uma vibração de respeito e carinho humano sempre circulou. Quer entre as/os coautoras/es, e todos os amigos que vieram dar mais luz com vozes e o dizer liberdade, esperança, cidania,.
    Bjs
    Luz e paz

    ResponderEliminar
  2. Mac, isto com a gente a mexer tem muito mais graça:))!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  3. Obrigada, mac, pelo registo que nos relembra as palavras ditas naquela festa tão bonita. Porque os sorrisos, os olhares, as cumplicidades, esses ficam-nos marcados para sempre. **

    ResponderEliminar
  4. Uma maravilhosa surpresa com que nos brindas!! Obrigada. Foi bonito. Muitos beijos.

    ResponderEliminar
  5. Obrigada, obrigada, como co-autora apenas presente em pensamento esta foi uma surpresa deveras excelente. Grata.
    Abraço

    ResponderEliminar
  6. deu pra ver e ouvir - excelente pra quem não teve oportunidade de marcar presença...

    útil e bela partilha!!

    22 beijinhos

    Eduardo

    ResponderEliminar
  7. ...fiquei impressionado, não só pelo convívio tertuliano da apresentação, mas também pelas tuas palavras, que descrevem este vosso encontro de uma forma tão apaixonada que lamento não ter conhecido antes esta tua faceta.
    Adiante, tenho a escrever que a minha presença neste blogue se tornará doravante assídua, isto porque desde há muito que não tinha o prazer de partilhar momentos desta grandeza intelectual e repleta de pensamentos que julgava já não existirem.
    Mais uma vez e sem ter receio de me repetir tenho vos a dar os parabéns...inssisto que façam por editar outro livro, eu cá estarei para testemunhar novo feito.
    Para a minha amiga Mac, beijos

    ResponderEliminar
  8. Bem, para além do ambiente ameno, cordial e inspirador da festa, é sempre bom «vermo-nos e ouvirmo-nos», não apenas para recordar mais tarde, mas para assumirmos que, na próxima, há que tentar fazer melhor... ;-)

    Obrigado, pois, pela partilha e até Lisboa, na Livraria Barata.

    ResponderEliminar
  9. Foi um belo registo o teu e tenho a dizer que tive muito gosto em ter tido oportunidade de conhecer-te. De vez em quando cá virei ao teu espaço, embora seja pouco assídua por falta de tempo.
    Um beijo

    ResponderEliminar
  10. Anónimo16:24

    ja tinha ouvido falar neste livro por aqui e por ali...
    vi a reportagem ha pouco no viajante. e agora deparo-me com o teu relato e o teu video. fantastico. para mim, curiosa como sou muito obrigado.
    leonoreta

    ResponderEliminar
  11. Palacete dos Balsemão.

    Quando soube, era tarde e não podia ir.
    Estava no S. João a fazer uns exames para dia 24 fazer o cateterismo ...
    Sou amigo dum tio do Dr. Raul Matos Fernandes, o director Municipal da Cultura.
    Aliás, era para ter acelerado uma apresentação, mas a editora espanhola, colocou-me alguns entraves e queriam dinheiro sem trabalho, para além doutras exigências.
    o barato sai caro ... e vou desistir.
    Os herdeiros que façam o que lhes der na real gana.

    Sei que foi um sucesso ... eu encomendei-o à editora há uns meses ...

    ResponderEliminar
  12. Cheguei no fim mas estive lá. E tenho o livro, oferecido.

    Que pena não te ter conhecido.

    Abraço.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...