Avançar para o conteúdo principal

Living in a Lie

Em Outubro, o ministro das Finanças garantia que nenhum banco português estaria em perigo devido a problemas de insolvência, e que o Estado não permitiria que nenhuma instituição possa po em causa ou perigar o dinheiro dos portugueses .

Há uma semana atrás, os 5 maiores bancos em Portugal anunciavam de forma concertada a sua intenção de utilizar o aval do Estado, tendo como objectivo aparente ocultar informação, uma vez que assim não seria possivel identificar quais os bancos que se encontram numa situação mais frágil.

Hoje, se calhar para comemorar o Dia de Finados, é anunciada a nacionalização do BPN.

Comentários

  1. E quem sabe se no próximo 10 de Junho Dias Loureiro, Oliveira e Costa e Daniel Sanches, entre outros, não vão ser galardoados por relevantes serviços à Pátria no caso BPN?

    ResponderEliminar
  2. E nós a assistirmos,impotentes e revoltados,a todos estes crimes impunes.

    ResponderEliminar
  3. E o BPI, que não quer que lhe descubram os podres, não se vai utilizar do dinheiro ... (dá deus nozes a quem não tem carteira. Que me pusessem á disposição 4000 milhões, que eu até aprenderia a voar ...)

    Mas temos que nos unir e ajudar estes pobres banqueiros do povo ...

    ResponderEliminar
  4. A questão do BPN é um escândalo!!! Aliás, na minha opinião os responsáveis pelo sector, incluindo Banco de Portugal, deviam ser DEMITIDOS!

    Há uns 5 anos atrás, trabalhava eu numa empresa muito conhecida da cidade do Porto, e já se falava no BPN como sendo um "Banco" esquisito...lavagem de dinheiro, negócios obscuros...remunerações acima da média e com "back officce" só para "alguns" a colocar dinheirinho lá para os lados das Ilhas Cayman.

    E fiquemos por aqui

    ResponderEliminar
  5. ...escandaloso, vergonhoso! Será desta que as prisões terão o privilégio de encarcerar os bandidos mais perigosos do gang do colarinho branco?
    Fico ansioso pelo desfecho desta novela.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...