Avançar para o conteúdo principal

Inverno

Saio do trabalho, está inverno lá fora. Enfio o gorro na cabeça e as luvas nas mãos, pronta para enfrentar o frio cortante que se faz sentir. Percorro a infinitude das ruas, desertas e mergulhadas no silêncio da noite. Passo ao longo das arcadas que albergam os vários ministérios, e olho com comiseração para alguns sem-abrigo que ali procuram o seu refúgio...Tão perto do poder, e eles ali, tão pobres, tão despidos, sugados pela aleivosia do mundo...
Continuo o meu caminho, abanando a cabeça, procurando esquecer aquela visão de despojamento. Desvio o olhar para os beirais dos telhados e observo os sincelos...Tão belos...Parecem lágrimas deixadas pelos anjos...Sorrio...O misticismo associado a esta época dá-me para estas coisas...Só é pena o Pai Natal, ou o Menino Jesus, não se lembrar dos sem abrigo que ficaram lá atrás...Enfim...
.
Estugo o passo, mal posso esperar para chegar a casa, o meu refúgio, o meu eremitério...Só penso no meu serão: leitinho quentinho, uma torrada feita em pão caseiro, e depois enrolar-me naquela manta quentinha urdida pela minha mãe...Ah! É mesmo um unguento para a alma...É uma preciosidade nos dias de hoje: o tempo, estes mimos para a alma, ou mesmo uma casa ou até uma mantinha...


Texto publicado no 8ºJogo das Palavras no Eremitério

Comentários

  1. Para já Vivaldi, o que é muito bom.
    O blog, em si, revela alguém de uma grande sensibilidade.
    Depois o facto de ser escolhido e constar duma lista onde estão os melhores.
    Fiquei cliente.

    ResponderEliminar
  2. Gostei imenso deste texto! É da tua autoria? É mesmo muito bonito.

    ResponderEliminar
  3. Belo texto. Gostei do do leitinho e do pão caseiro com a mantinha urdida pela mãe. Deliciosa sensação de aconchego.
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. ...bonito, simples e reconfortante.

    ResponderEliminar
  5. Palavras vivas que nos levam a sentir o conforto da casa por contraponto ao frio físico e psicológico das ruas. Belo texto.
    Beijinho (foi bom conhecer-te.) **

    ResponderEliminar
  6. Tens mesmo razão!
    Como é bom estar no quentinho!

    Gostei de te conhecer :)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. Menina MAC, sabe a menina que a sua escrita é madura, corrida, harmoniosa, fresca, cristalina, muito bem urdida?
    Pois é isso que eu acho:))
    (foi bom atribuir-te um rosto, sorridente e caloroso...)

    ResponderEliminar
  8. Gostei imenso. Simples e de uma beleza estonteante!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...