Avançar para o conteúdo principal

Elogio ao Inverno

Diana Krall - I Don't Know Enough About You


Ontem estava a descansar para recuperar forças para um novo dia, quando fui acordada pelo som da chuva a cair e dos trovões a estalarem nos céus. Tive saudades dos primeiros dias de Inverno, depois da chuva ter caído e a paisagem ter ficado mais límpida...de caminhar, e sentir aquele cheiro delicioso a terra molhada...daquele vento fresco na cara, que me faz sentir viva e amar a natureza, e sentir-me una com ela...depois ir beber um chá quentinho ao som duma boa música jazz, num sítio aconchegante, e ver lá fora os elementos da natureza a tomarem conta da cidade.
Quando voltas Inverno?

Comentários

  1. paula lemos13:55

    :) volta Inverno...nem ke seja por uns dias

    beijokinhas

    ResponderEliminar
  2. Olá! Fizeste anos há pouco tempo??
    (ou se calhar estou a confundir...)

    Pelo menos um ventinho fresco sabia bem!
    bjs

    ResponderEliminar
  3. Anónimo21:44

    Greets to the webmaster of this wonderful site! Keep up the good work. Thanks.
    »

    ResponderEliminar
  4. e nos no Norte sabemos bem o que é um inverno!!! Os algarvios e alentejanos - invejosos - já nos mandam o bafo cá pa cima!!!
    o tema fabuloso! So faltava o clint ao piano... perfect!


    um abraço
    paulo Santos

    ResponderEliminar
  5. Obrigado pelos vossos elogios. Para a Ceci: faço anos em Fevereiro; ao editar o perfil tinha-me enganado na data.

    ResponderEliminar
  6. Vejo que nutrimos a mesma paixão pelo jazz, embora eu prefira o instrumental!! :)

    ResponderEliminar
  7. Anónimo21:38

    I find some information here.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...