Avançar para o conteúdo principal

O País Ideal de Salazar

A propósito do post do Paulo ( http://www.interiornorte.blogspot.com/) sobre os Morangos com Açucar: não é apenas esta série que nos apresenta uma realidade açucarada e anestesia os nossos sentidos e a nossa mente. Também temos o Big Brother, Quinta das Celebridades, 1ªCompanhia... tudo séries produzidas pela TVI. Coincidência?
Esta estação está vocacionada para uma cultura popularuja e brejeira (até o Telejornal deles é reflexo disso), apelando aos mais básicos instintos da populaça, servindo-se sem escrúpulos da desgraça alheia e da sede de voyeurismo. Consequências? Aquando da morte de um actores da série Morangos, quase faltou haver um dia de luto nacional, e era vê-los elevar o miúdo quase ao estatuto de santo, quando se deveria ter aproveitado essa morte para falar aos jovens do perigo de se conduzir embriagado.
No tempo de Salazar, foi instituída a cultura dos 3 F's: Fátima, Fado e Futebol, para que o pessoal estivesse distraído, e não reparasse no que ele estava a fazer; hoje em dia, este seria um país ideal para o Salazar governar. Não é preciso instituir nada; o povo abraçou esses valores de livre vontade, e alheia-se de uma forma que nem sequer sabem o que se passa à sua volta.

Comentários

  1. camarada é um orgulho ser citado aqui no teu blogg. Que frequento e opino por o achar inteligente e consciente!
    Chegas-te a ler o meu post "os dias do Ouro"?
    disseco um pouco sobre aquilo que opinas sobre a fabulosa TVI!!!!!
    A analogia que usei para aquela post que contribui nos antimorangos, é apenas a ponta do iceberg!!!

    Como tu tão bem comentas-te no meu post de ontem....anda tudo e todos á procura ou de entreter ou ser entretido! Não entendo!!!! o país virou um gigantesco carrossel e as pessoas preferem dar mais uma volta, mais um giro... a acordar....

    Um forte abraço

    Paulo Santos

    ResponderEliminar
  2. Tens razão, por mais que se fale em democracia esta não passa de uma utopia. E já mais passará enquanto houver senhores como o sr. Moniz que escondem a verdade às pessoas, só lhes mostrando o que elas querem ver...

    ResponderEliminar
  3. e qualquer dia ainda voltamos ao "pão e circo"... se ao menos os cristão fossem substituídos pelos "moranguelas"....

    ResponderEliminar
  4. não esquecer a letargia e a sonolência provocada pelos anti-depressivos que colocam os portugueses num estado em que qualquer contestação assume um esforço impossivel de se ter.

    ResponderEliminar
  5. Anti-depressivos esses que são-nos fornecidos pela santa televisão. Temos todos de mudar de tratamento.

    ResponderEliminar
  6. Excelente. Gostei do que disseste sobre terem-se aproveitado da morte de um actor, para darem origem a um mórbido-macabro horário especial de transmissão do funeral.
    Soube de professores que obrigaram os alunos a fazer um minuto de silêncio em homenagem ao rapaz. Pois... Mas ele não foi o único que morreu naquele acidente (acho eu que nem prestei muita atenção, nem naquele dia.
    O mesmo se passou com a princesa Diana, lembram se? Por essa altura morreu também a madre teresa de calcutá que "lutou por um mundo melhor" e ninguém fez um especial de 5 dias sobre ela (não que eu me importe. é só para vocês verem a estupidez da coisa :|)

    Enfim... Por este andar, as PERSONAGENS das novelas vao ser canonizadas a santos... Triste
    (Já agora, como vi muita gente a falar de televisão e a fazer posts sobre o assunto, senti-me inspirado e tentado a fazer um post dedicado ao lixo televisivo. Dito e feito. Se tiveres interessado tens aqui o link)

    Fica bem, continua com o bom trabalho.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...