Avançar para o conteúdo principal

Muros

"Cuidado com os muros que constróis; nunca sabes quem deixas do outro lado."

Comentários

  1. os muros cercam-nos cada vez mais! isto dito por uma sociedade que até há muito pouco se orgulhava de derrubar esses mesmos muros!
    Nada mais falso! esses que foram derrubados acabariam por caír de tão decrepitas fundações! um sopro mais forte faria o mesmo que o buldozer....tristemente aproveitou-se a pedra e o betão para alicerçasr novas e reforçadas muralhas de consumismo e egoismo!
    quem deixamos do outro lado? aquilo que verdadeirament deviamos vedar e usar!!! as coisas verdadeiras!

    um abraço
    Paulo santos

    ResponderEliminar
  2. É isso mesmo: temos tanto medo do papão, seja ele personificado pelos governos deste mundo, quer seja por querermos proteger a nós próprios de nos magoar, que acabamos por deixar de fora o que realmente interessa.

    ResponderEliminar
  3. =) É preciso ter atenção e aprender a viver com os medos, não só "reagir-lhes" querendo-os à distância.
    Até porque a maioria das vezes "pintamo-los" bem maiores do que na realidade são e só descobrimos isso quando os enfrentamos. ;)
    Boas férias...

    ResponderEliminar
  4. rodrigues18:26

    o maior muro está dentro de cada ser humano...
    podemos ser muito sociaveis,muito atentos ao que nos rodeia mas impomos a nós mesmo barreiras que nos codicionam e limitam o nosso ângulo de visão. Encapota-mos a nossa verdadeira identidade, fazendo de nós perante a sociedade (falsos)actores muitas vezes receosos daquilo que alguns muros podem esconder...
    Não considero que os muros nos tornem mais cobardes... muitas vezes lutámos por privacidade e são os muros que nos transportam a esse ser individual que cada um quer ser....

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...