Avançar para o conteúdo principal

Singles II


Aqui à tempos em "conversa" com o Tacitus, falava-se da dificuldade de conhecer pessoas interessantes. Será assim tão difícil?
Deixo aqui a opinião que deixei na altura: ao passearmos no shopping ou na rua, quantas pessoas estão sozinhas, isoladas no seu mundo, a comer ou a vaguear pelos corredores...Refugiamo-nos na Net, se calhar por ser mais fácil dar a cara no anonimato, por ser mais fácil conversar, com a consequência de estarmos cada vez mais fechados no nosso canto, fechados para o mundo à nossa volta.
Depois na nossa vida real não conseguimos interagir com essas pessoas, que sozinhas, cruzam o nosso caminho.
Vamos perdendo a nossa capacidade de comunicar, perdendo a capacidade de dizer Olá...

Comentários

  1. Hoje há uma grande falta de disponibilidade para prestar a devida atenção às pessoas, ao que são, ao que têm para nos dar, às experiências que têm para partilhar e trocar connosco... Estando por detrás de um monitor, no tempo livre, é bem mais fácil, não tiramos as medidas físicas, não olhamos para o aspecto da pessoa, para como está vestida, se tem a cara bem lavada ou se... e se... e se... Quando não se olha para a cara das pessoas escutamos mais o que dizem e o que transmitem! E sim, ainda há pessoas interessantes, apesar de eu achar que cada vez as pessoas são menos interessantes ou cada vez mais correspondem a modelos e estereótipos já concebidos!!!

    ResponderEliminar
  2. Olá,

    Pois, o facto de estarmos aqui on line a "conversar" é a prova mais que evidente que não perdemos a capacidade de dizer: Olá!
    :-)
    bjs

    ResponderEliminar
  3. Sim, isso é verdade... eu pelo menso falo por mim... estou práqui numa formação de Photoshop e não deixo de vir espreitar o que os outros partilham!!

    Ah... Olá Arqui!! :D

    Beijo!

    ResponderEliminar
  4. Pois.... porque será dificil ?! será que os homens pensam nisso qd olham pra nós nos corredores da fnac por exemplo? o problema é ke as pessoas teem medo de serem mal interpretadas.
    será isso

    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Sim, o medo da má-interpretação é um obstáculo... até porque se for uma mulher a "meter conversa" normalmente entendem isso como uma espécie de "oferecimento"... e ao contrário, o homem a abordar a mulher, a maioria das vezes é tido como falta de respeito, tentativa de engate... e claro... no caso homem-homem ou mulher-mulher é entendido como uma abordagem... GAY/LÉSBICA??

    ResponderEliminar
  6. É tão dificil arrancar um sorriso a alguém, quanto mais umas silabas...

    Kiss per tê, até outro instante.

    ResponderEliminar
  7. pois é *Tejina* exactamente a minha opinião. passa lá no troca. escrevi algo sobre isso, assim um pouco mordaz,exagerado até mas era essa a ideia.

    kiss

    ResponderEliminar
  8. "Sim, o medo da má-interpretação é um obstáculo". Poderia-se pressupor que as pessoas que andam vaguear por aí, aceitariam de boa vontade o "meter conversa", mas não é isso que se vê. Vê-se sim esconderem a cara por detrás das folhas de um livro, ou algo do género. Temos medo da reacção dos outros, medo de criar expectativas...

    ResponderEliminar
  9. Olá Mac. Não posso deixar de concordar que as fronteiras da comunicação cara-a-cara estão menos humanas, a meu ver especialmente devido ao egoismo crescente que detemos e está generalizado. Confesso que muitas vezes, me apetece cumprimentar desconhecidos que com o olhar me transmitem esse mesmo "olá", mas como nunca sabemos se a reação irá ser boa ou má, é bastante mais fácil desligarmos e continuarmos no nosso mundo. MAs que seria bem mais saudável podermos interagir sem medos, lá isso...boa semana para ti e se me vires algures numa rua, já sabes, debita-me um hello! abraço.

    ResponderEliminar
  10. Olá Mac:)
    Questão importante. Exagerando acabaremos por não comunicar, ou restringir a comunicação ao essencial?
    Não acredito:)
    Se fores a uma vila ou aldeia todas as pessoas comunicam, embora muitas vezes desconfiem de estranhos.
    Não me fecho nem me preocupo em saber se as pessoas são interessantes ou não. Comunico, comunico e comunico, depois logo se vê. Quantas vezes o interessante passou a desinteressante e vice-versa.
    A net é nice, dá para comunicar, criar um ruído diferente.

    ResponderEliminar
  11. Nas aldeias ou vilas , as pessoas comunicam, mas acho que as cidades isolam cada vez mais as pessoas...estão demasiado ocupadas a olhar para dentro do vazio.

    ResponderEliminar
  12. ...sinal dos tempos!
    Abraços

    ResponderEliminar
  13. É cada vez mais complicado falar com alguém que não se conhece. Mecanismos de defesa que a sociedade desenvolve, provavelmente. Mecanismos de solidão, também. A net? Um escape...e só! **

    ResponderEliminar
  14. Enigma23:45

    De facto é bem verdade que é cada vez mais difícil comunicar com pessoas que nos são estranhas, bem como encontrar pessoas interessantes. Desde logo, porque para além de as pessoas não estarem socialmente predispostas a conhcerem pessoas que não são do seu círculo de amigos ou de tarbalho. Por outro lado, porque as pessoas estão cada vez mais formatadas pelos padrões impostos pela sociedade, o que as condiciona na abertura de espírito para contactarem com estranhos, bem como na própria personalidade e interesses das mesmas. Assim, é perfeitamente normal os temas de conversas serem, em bastantes casos, os mesmos, bem como as oipiniões. O problema começa logo por residir no facto de as pessoas serem estimuladas a não serem diferentes. A socialização assim o exige, curiosamente numa época civilizacional em que cada vez mais há acesso à informação. Curiosamente há um dado um tanto ou quanto peculiar; Já reparam na quantidade de blogues que existem e em que em muitos deles as pessoas trocam opiniões, reflexões, informações, etc e no entanto não se chegam a conhecer, nem por fotografia nem pessoalmente? E Porquê? Entre muitos outros motivos creio que é também porque nos habituámos a segurança por trás do visor, bem como ao facto de as pessoas terem medo de ser mal interpretadas. DDeixo por isso aqui um desfio atodos vós, incluindo ao Tacitus, para pelos menos uma vez a malta fazer um jantar Tertúlia, onde pudéssemos falar sobre este tema e tantos outros e ao mesmo tempo humanizar as relações humanas já existentes por trás do visor.
    P.S: Quem me dera poder sentir ser possível meter conversa com pessoas sós na FNAC e noutros sítios, que tal como eu gostariam de fazer o mesmo e estabelecer novos contactos e tornar esta vida bem mais rica tal como deve ser.

    ResponderEliminar
  15. O mais ridículo disto tudo é que diz-se por aí à boca cheia que estamos na Era da Comunicação!!!!! Parece até absurdo chamar-lhe assim... mas talvez seja a Era da Comunicação Digital!!

    Boa noite!!

    ResponderEliminar
  16. "
    Vamos perdendo a nossa capacidade de comunicar, perdendo a capacidade de dizer Olá...
    "

    se calhar por isso me retirei um bocado deste "mundo virtual", para que naturalmente o "Olá!!!" aparecesse.

    ResponderEliminar
  17. PM...mas este "mundo virtual" também permite comunicar... no entanto há que saber separar as coisas e não nos limitarmos a ele!! Também há um mundo lá fora onde se comunica e onde se diz "Olá!!" e até conseguimos obter resposta!!!

    ResponderEliminar
  18. Por vezes dizer "olá" é um começo, outras vezes não chega...

    (grata pela visita)

    ResponderEliminar
  19. Cada vez dou mais razão à minha mulher, quando diz, que agora há muito mais gente solitária. Antigamente não havia net, telemóveis, shopings, msn, blogs...e as pessoas conviviam, amavam, conversavam, passeavam, bailavam. Sinais dos tempos ou andamos de "cavalo para burro"?
    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  20. Por isso é que a blogosfera não me satisfaz plenamente. Falta-me aquela parte da interacção humana, da partilha de uma gargalhada, do cumbibio carago....

    Acabo sempre por mais cedo ou mais tarde sentir aquela necessidade de conhecer quem está do lado de lá. De dar um rosto às coisas.

    Mas é bem verdade que caminhamos para uma sociedade de polegar grande. Os putos vão para a night de telemóvel e engatam-se na base das mensagens - ke é algo que me transcende. Mas k pelos vistos funciona.
    Enfim, modernices...

    ResponderEliminar
  21. Anónimo21:04

    Esse mundo virtual me assusta tanto quanto o real no que tange as relações humanas, porque as pessoas podem ser o que quiserem nele, e cada vez nos tornamos menos lúcidos. Aliás,a lucidez anda fora de moda e custa os olhos da cara hoje en dia..rsrsrsr

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...