Avançar para o conteúdo principal

STOMP


Domingo fui ver os STOMP no casino de Lisboa. Viu-os há uns anos atrás, e tenho a dizer que estão muito melhores. Dão mais ênfase à comédia, havendo mesmo um bobo da corte, e há uma maior interacção com o público.
Fiquei admirada pelo público lisboeta ter interagido daquela maneira (é que eles são mais tímidos que os tripeiros).
Um espectáculo a não perder.
Ainda vão estar em Lisboa até dia 25Fev e no Porto de 28Fev a 04Mar. Para comprar os bilhetes, ir aqui: http://www.ticketline.pt/

* 1 nota negativa - o casino de Lisboa. Não tem nada a ver com o casino da Póvoa (este último tem mais glamour).
* 1 nota positiva - a casa das bifanas na Rua Portas de Sto. Antão.

Comentários

  1. Hummmm... bifanas :P

    Li-te mas fixei-me nas bifanas!!!

    BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS BIFANAS

    Convido-te a convidares-me a comer umas quantas (atenção, quantas é plural) Bifanas de Sto. Antão...

    Kiss, até outro desinstante!

    ResponderEliminar
  2. estou a ver ke não posso perder aki no Porto.vou ver se ainda há bilhetes.

    Há uma casa pekena de bifanas perto de minha casa, bora lá combinar?!

    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Também os vi há uns anos. E adorei. Desta vez, infelizmente, não vai ser possível. **

    ResponderEliminar
  4. Já vi os STOMP duas vezes e de ambas as vezes fiquei deliciado! Desta vez não sei se os irei ver no Porto. É muito perto do meu dia de aniversário :):):):) Quem sabe...vou mandar a "boca" cá em casa a ver se oferecem os bilhetes ;);) Não é mal pensado pois não?
    (PS: quanto ás bifanas....na CONGA com um fino bem tirado)

    ResponderEliminar
  5. Bifanas... as melhores bifanas de Portugal são as de Vendas Novas, mas as de uma casa que há lá mesmo em frente dos semáforos à entrada quem vem do lado de Pegões!!!!

    Ahh, os STOMP... o tema principal... ando com vontade de os ver há uns tempos!! Ainda não foi possível, principalmente por causa do excesso de velocidade e mais recentemente por causa de um STOP [alguma semelhança no "nome" é mais que coincidência!! as multas não foram nada interessantes, muito menos engraçadas!!]... Fico na esperança de algum dia conseguir!!!

    ResponderEliminar
  6. Já os vi mais do que uma vez e anseio pelo proximo sabado para reve-los. Um grupo excelente, na minha modesta opinião, que aconselho vivamente.

    ResponderEliminar
  7. Isto é que é um bom serviço publico... Por acaso queriamos ir ver o espetáculo e com a minha brutal falta de tempo, pensei que já não o ia apanhar, mas assim, ainda vou ter de rever a minha agenda para encaixar este programita...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...