Avançar para o conteúdo principal
"Nanosegundo:

O tempo que leva

para o condutor que está atrás de nós

apitar quando o sinal passa a verde."

Comentários

  1. Lol! E o tempo é relativo! Para ti passou um nanossegundo, para o condutor atrás de ti, um milhão de anos! Estranho porque a luz verde devia chegar primeiro a ti! LOL! Ainda dizem que a física tem aplicabilidade prática! Bah! Tretas!

    Fica bem! ;)

    ResponderEliminar
  2. é só pessoal com pressa! uns stressados.
    o mais grave é ke nos cruzamentos com pouca visibilidade...se arrancas logo,logo, no verde sujeitaste a apanhar com um carro ke passa no vermelho ( e há muitos ke o fazem )...
    aí um nanosegundo faz toda a diferença.
    eu pessoalmemte não gosto de ser a primeira na fila... já vi um acidente assim e ficou-me pra memória.
    há ke ter calma, este pessoal anda todo a correr para chegarem 5 minutos mais cedo a qualquer lado.Habilitam-se é a partir tb mais cedo desta vida ou mais grave a levarem inocentes à frente.

    beijos*****

    ResponderEliminar
  3. É a pressa... para tudo. Devíamos viver mais e melhor. **

    ResponderEliminar
  4. lol
    ou para seres multado :P entao se mudares a cor dos olhos ou fores a dançar, é que nem ginjas :P

    ResponderEliminar
  5. LOL! O que eu mais gosto são os apitos do gajo (ou mulher... sim porque eu de bicicleta já assisti a uma do pior lol já que era em andamento e sempre que um carro travava ela apitava, acho que tinha um comportamento condicionado a luzes vermelhas) que está na vigésima posição logo após o sinal abrir. Ide com calma!

    ResponderEliminar
  6. Olá Mac:)

    Nanosegundo seguinte:

    O tempo que me leva a fazer um gesto obsceno (mesmo que não perceptivel), ou organizar um pensamento injurioso ao pressinhas da traseira.
    Se bem que... não tenho desses problemas, sempre que estou num semáforo lembro-me das grelhas da F1... enfim, ng é perfeito lol

    ResponderEliminar
  7. Lá se vai a embraiagem não é Pedro? Depois as mulheres é que estragam as peças dos carros...Lol.

    ResponderEliminar
  8. E é tão grande a... Será má educação dizer cretinice, quando assim acontece?
    É tão fácil conduzir se o fizermos dentro das regras da segurança e se o fizermos com a tranquilidade de quem até pode ir ouvindo uma música, rapidamente compreenderemos a insensatez de não sermos capazes de ir devagarinho, atrás de um ciclista, se a via assim o determinar.
    É bom falarmos nestas coisas, Mac, parabéns pela ideia.

    Um resto de boa noite, tudo de bom para ti Mac

    Luís F. de A. Gomes

    ResponderEliminar
  9. O que seria desses condutores, se os carros viessem sem buzina??

    ResponderEliminar
  10. lololololol... esta está boa... kiss

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...