Avançar para o conteúdo principal

Liberdade para os blogs!

Até que ponto a escrita é livre num blog? Afinal, estamos presos a um determinado estilo, e se o mudarmos, toda a gente estranha.
Já para não falar que praticamente toda a gente parte do princípio que os posts são autobiográficos. Se fazemos 1 post depressivo, lá vem o pessoal dizer: estás em baixo, que visão tão negra da vida, etc. Se fazemos 1 post erótico, és uma tola, etc. E por aí fora...
Quase toda a gente pensa que aquilo a que nos referimos na escrita, diz respeito a nós próprios. E por isso algumas vezes o bloger "corta-se" a publicar alguns posts, e com medo da opinião dos outros. Estamos sempre debaixo da lupa de alguém não é?

Comentários

  1. Totalmente... =)
    Eu ando sem muito tempo para grandes escritas, mas é bem verdade! Há coisas que simplesmente "Não encaixam". E porquê? =) Bom....as pessoas vêm atrás de um estilo. Inevitavelmente ou nos conhecem ou voltam pelo que leram e querem mais (do mesmo).
    ;)

    ResponderEliminar
  2. Sublinho.
    Por experiência própria digo que muitos dos textos que publico não se referem à realidade pura da minha vida mas normalmente as pessoas tendem a associá-los como tal.
    Até eu consciente ou inconscientemente acabo por fazer o mesmo em blogues alheios.

    É verdade. A lupa do julgamento está sempre por aí.

    Começo de boa semana [:

    ResponderEliminar
  3. Ois Mac;)
    A minha "escrita" é totalmente livre,marimbo-me para as conclusões dos outros. Se estivesse preocupado com isso não escrevia nadinha.
    Todavia lol, estamos sempre debaixo da lupa de alguém, se não for nos blogs é noutro lado qualquer.
    Boa semana;)& bj à lupa lol

    ResponderEliminar
  4. Finalmente,

    Alguém que me compreende.

    Eu gosto muito de imaginar. De escrever outras vidas que não as minhas. O meu problema é que penso que tudo fica mais literário se o fizer com o verbo na primeira pessoa!!! Faço mal: o mundo cai-me em cima a pensar que estou em depressão: people sou a miúda mais alegre do planeta...

    Beijocas e já tinha saudades destas coisas dos blogs...

    ResponderEliminar
  5. Não! Não é!
    Sou de opinião que cada um faz da sua casa o que muito bem entende (se viver num prédio, é melhor que se lembre que tem vizinhos, raios parta o meu, quando se lembra de ligar o berbequim às 8 da matina de sábado, só me apetece matá-lo :P) ok ok a questão não era esta.

    Se observarmos com atenção há blogs de todo o género, feitio e qualidade.

    Se é certo que alguns são quase auto-retratos, também é certo que existem outros onde a imaginação é fértil.
    Se para uns é divertimento, para outros pode ser 1 questão de memória.
    Se uns obedecem (quase) sempre ao mesmo "estilo", outros há que variam bastante.

    Justificar o que escrevemos, só se nos apetecer, é um direito que nos assiste.

    Eu escrevo para mim (okok sou louca, paciência) quem quiser lê, mas não tem o direito de me condicionar.

    ups, isto está a ficar muito longo, acho que vais correr comigo à pedrada :|

    ResponderEliminar
  6. Concordo com a Foryou mas também compreendo a Mac.
    Se somos condicionados por aqueles comentam então é porque nos importamos com o que pensam. Não há mal nenhum com isso, na minha perspectiva, mas por vezes pode impedir-nos de escrever o que nos apetece e aí a culpa já é nossa! (o meu blog é "meu" e escrevo porque posso hehe).
    Continua a postar... o que te apetecer!

    ResponderEliminar
  7. De qualquer maneira a liberdade existe! Se não escrevemos ou se escrevemos, porque os outros podem pensar ou deixar de pensar, é uma opção que fazemos em liberdade, não é?

    ResponderEliminar
  8. Na verdade, o blog é uma faca de dois gumes: ou se tem um estilo certinho e, até, se cai em graça, ou se é um pouco mais "traquinas" e, logo, cai em desgraça.
    Não vamos olhar a isso e que, ao menos aqui, possamos "dizer" o que nos apetece naquele momento.
    É a primeira vez que aqui venho e gostei. Sê quem és e deixa os outros pensar...é um exercício mental que todos devemos fazer! ;-)

    Bjt

    ResponderEliminar
  9. Concordo apenas em parte com o que dizes. A lupa está lá mas cabe-nos a nós orientá-la ;))))
    Obviamente que certos temas ou escritos por vezes não se enquadram mas acho que o estilo de cada um não deve ser moldado aos comentários mais ou menos favoráveis. Um abraço.

    ResponderEliminar
  10. A quem o dizes! Mas prefiro a pressão dos meus exigentes leitores à pressão de um governo ou de uma grande organização...

    Viva a liberdade!

    ResponderEliminar
  11. Costumo ser mt espontanea a escrever.... e escrevo sobre aquilo q vivo, aquilo q sinto e as pessoas sentem isso... talvez por isso, tendo a achar q os outros fazem o mm, o q nem sp é verdade... kiss

    ResponderEliminar
  12. Estou mais de acordo com a foryou.

    depende do porquê de se ter vindo para a blogosfera.

    Tu até estás com nickname, se estiveres preocupada com a opinião dos outros na blogo, como será no dia a dia da real vida lá de fora.
    Aqui é virtual, faz-se o que se quer, e o que der gozo.

    Se não te apetece perder visitantes ou comentários, abres outro.


    beijinho e desculpa

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...