Avançar para o conteúdo principal

Dia 31

Pois é, não passei a Passagem de Ano em NY, mas passei aqui: Hotel Convento S. Paulo, na Serra d'Ossa, perto do Redondo. Foi tudo combinado à última da hora, em pleno dia 30, depois de beber uma garrafa de Borba, mas foi um espectáculo! Vejam:

Interior e Exterior da Igreja:

Interior do Hotel Convento
Pátio
Salão
(há ainda um outro salão, igualmente com lareira, à qual se junta uma mesa de bilhar e um enorme ecrã LCD)
Uma das piscinas (a outra não consegui descobrir)
Eis o Convento

Vista dos jardins
Fonte

Recomenda-se para comer o Restaurante "Chana" na Aldeia d'Ossa. Atendimento muito atencioso, paparoca bem elaborada e em boas doses, e preço na ordem dos 23€ por pessoa (engloba entradas, prato principal, vinho, sobremesa, café e digestivo).
O Restaurante "O Eremita", situado no Hotel, deixou um pouco a desejar em termos de paladar. Para um Hotel de 4 estrelas, esperava-se um pouco mais, mas o pequeno almoço compensou esta falha.

Comentários

  1. Parece bastante acolhedor e calmo, os preços para estadia também são simpáticos? Beijo

    ResponderEliminar
  2. Quem "bate" fotos assim, depois duma garrafa de Borba, merece uma de "Marquês de Borba" Reserva ...
    Quente e sedoso vinho que nos aguça as papilas gustativas.
    Penso ser o melhor para fotos ...

    (não ligue ao que ele escreve ... sempre foi assim desde que nasceu e não é agora que tem cura)

    ResponderEliminar
  3. Eu pouco percebo destas máquinas que me infernizam a vida.
    Mas antes de fazer mudanças, ficava com o computador bloqueado.
    Agora, só ao fim de 3 tentativas, lá com as letras em pano de fundo é que coloquei o comentário.
    Será de mim?

    ResponderEliminar
  4. Gosto tanto de hotéis e pousadas desse género. :)

    ResponderEliminar
  5. Moura, a estadia é 120€ por quarto, portanto mais vale ir acompanhada ;-)). Para as condições que tem, e para quem quer relaxar, não é nada caro...

    ResponderEliminar
  6. De certeza que as fotos foram após a "botelha" de Borba? :)
    Ou a garrafa é uma figura de estilo e estamos a falar apenas de um copo? :)

    ResponderEliminar
  7. O "Borba" tem destas coisas :)))))
    Mas valeu a pena, não tenho dúvidas.
    Uma sugestão a levar em conta. Gracias:)

    ResponderEliminar
  8. O Borba foi bebido dia 30, e foi graças aos vapores etílicos que de repente se teve a ideia de ir para este local. As fotos foram tiradas dia 31 e 1, em estado sóbrio :-))

    ResponderEliminar
  9. Nem pensei em nada do outro mundo.
    Foi um jocoso comentário.
    Mal de mim se insultava alguém.
    Nunca o fiz.
    Foi uma maneira de alegrar o comentário.
    E nem tenho nada a ver com a vida de cada um.
    Até podiam ser tiradas já de gatas no chão, sem forças nas pernas, devido aos vapores etílicos que em vez de subirem, desceram ...

    Foi pior a emenda que o soneto???

    ResponderEliminar
  10. Depois duma garrfa de Borba, a ideia podia ser pior... :)) Esta parece-me muitíssimo boa. Então, que o 2009 continue tão bem como começou, **

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...