Avançar para o conteúdo principal

Principes Encantados

Rapunzel estava no alto da sua torre, à espera do principe encantado, até que um belo dia pensou: "Porque carga de água estou aqui à espera de alguém que não chega, e a desperdiçar o meu tempo? O mundo está à minha espera..."
Saltou para o carro desportivo que se encontrava por detrás do castelo, e foi buscar a Branca de Neve e a Bela Adormecida, ambas à espera do beijo redentor...Rapunzel tentou incutir-lhes algum juízo naquelas cabecitas, chamando a atenção para o facto de que nestas coisas dos contos de fadas, as princesas estão sempre à espera de alguém que as salve, alguém que demora séculos a chegar. Mas que elas não precisavam de ninguém para as salvar...Eram mulheres independentes e chegava a altura de se fazerem à vida!
As outras duas concordaram e lá foram elas em direcção ao por do sol...
Alguns meses mais tarde, vamos encontrar Rapunzel à frente duma cadeia de cabeleireiros, Branca de Neve à frente duma cadeia de catering, e Bela Adormecida dona duma fábrica de têxteis. As 3 amigas estavam numa bela esplanada a beber margueritas e a gozarem a vida, rodeados de belos latinos, prontos a satisfazerem os seus mais pequenos caprichos.
Riram-se...Afinal que precisa de principes encantados??

Comentários

  1. eh pah se começam a contar essas histórias aos putos, isto é que vai ser uma proliferação de empresárias
    lol

    ResponderEliminar
  2. Príncipes Encantados? Eles existem? |:

    ResponderEliminar
  3. E assim se destroem uma série de mitos e ilusões! Não há direito ... :)

    ResponderEliminar
  4. O teu texto é o princípio de uma revolução - vamos a lea!!

    ResponderEliminar
  5. Gostei da história :)

    ResponderEliminar
  6. Aleluia:)).
    Por acaso acho que a graça esta nas fases...ha sempre a fase da crença que apesar de desgastante tem os seus encantos. No entanto ninguem aguenta tanta intensidade e lá se desmorona o castelo para se construir em seu lugar um loft ultra moderno:)
    Fica bem!!

    ResponderEliminar
  7. ...belos latinos!!!Não escondes em nada as tuas preferências.
    Toma atenção que também os principes estão presos à cruel e ingrata missão de resgatarem as meninas e sem terem sequer noção se estas serão aptas para seus prazeres. Não se vão eles lembrar de beber um copo no bar já ali ao lado, rodeados de belas mulheres( a raça é irrelevante)prontas a satisfazerem e sem algum capricho.
    Beijo, Tone

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...