Avançar para o conteúdo principal

Num cinema perto de si...

No outro dia fui ver este filme, e valeu mesmo a pena...O filme é lindo, fazendo lembrar os épicos de antigamente. Tem todos os ingredientes duma boa história - amor, guerra, acção -; tem paisagens lindíssimas, que nos faz ter vontade de viajar até aos antípodas; tem close-ups fantásticos; tem um gajo lindo de morrer (Hugh Jackman); tem uma mulher lindissima e elegantérrima (Nicole Kindman). E fala dum povo esquecido e ignorado, a quem lhes foi roubada a terra e a identidade: os aborígenes.
Como vêm, vale bem a pena ver este filme...

E falando em filmes, gostei especialmente do filme exibido 2ªfeira na SIC. Tratou-se da entrevista ao "nosso querido" 1ºMinistro, mas bem que se podia chamar "O País Imaginário"...Não podia deixar de falar deste asunto, pois cada vez mais fico abismada com a habilidade do "nosso" 1º. O homem tem mesmo jeito para vender banha da cobra...no meio das perguntas pertinentes e insistentes de Ricardo Costa, ele arranjava sempre maneira de fazer publicidade à sua obra, pintando um país que ainda estou por descobrir que país é...Mas os tugas nada têm a recear da crise: o nosso Grande Timoneiro com a sua habilidade de Pinóquio, com certeza que nos levará a um bom rumo...

Comentários

  1. O filme da Sic foi engraçado, foi...

    Quanto ao "Australia", está na minha lista de filmes a ver, mas ainda não vi... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  2. Também quero ir ver esse filme.. e mais uns quantos, mas diga-se de passagem que ir ao cinema está pela hora da morte. Bj

    ResponderEliminar
  3. eheheheheh o país imaginário
    belo titulo
    lool

    ResponderEliminar
  4. fui hoje. tinhas razão ! em tudo
    beijos

    ResponderEliminar
  5. O "Austrália" tem pelo menos a grande virtude de nos mostrar como a administração inglesa tratava os indígenas!

    Do 2º não posso falar porque não vi: recuso-me a ouvir mentiras quase obscenas com o ar mais sério deste mundo. Não tenho paciência para a falta de seriedade...

    ResponderEliminar
  6. Não vejo qualquer filme...mas está agendado o "Austrália" :)

    ResponderEliminar
  7. O da SIC ainda tentei ver, mas desisti. O Australia fico à espera do DVD. Sempre fica mais baratinho!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

8

Conceito de fim...



Ontem abri aleatoriamente as páginas de um livro, tinha um leve cheiro do teu perfume. Estremeci, a tua memória preencheu-me.

Por momentos esqueci as minhas noites solitárias, tantas noite em que chorei até pensar que já não teria nada dentro de mim, em que todo o sentimento, toda a dor, toda a perda, foram derramadas sobre a almofada, essa almofada a que me agarro nessas noites que parecem não terminar, essa almofada que acalma os pesadelos que teimosamente insistem em visitar-me. Sinto-me oca, vazia, de tanto chorar...A gata, que ocupou o teu lugar na cama, acorda muitas vezes comigo a gritar o teu nome, acorda comigo empapada em suor. Coitada da bichana, mia baixinho junto do meu ouvido, numa tentativa de me reconfortar, o que até resulta, mas os pesadelos da tua ausência são uma visita constante.

Às vezes penso se estes pesadelos não serão a minha consciência a gritar de culpa. Cheguei a desejar a tua morte, sabias? Houve uma altura em que me fartei de correr para…

7

Era uma porta enferrujada. E ela entrou.

O autocarro partiu e a porta atrás dela se fechou.
Carregada de sacos onde cabiam os sonhos que o mundo apagou,
Só pensava em fugir de uma vida sacrificada, na rotina de vida em que tombou.
Saiu de casa com os seus sacos mal o dia madrugou,
Regressa a casa com os seus sacos já a noite se fechou,
Sempre com os seus sacos, mais um dia que acabou.
Carrega uma vida nas pernas que o mundo desengonçou,
As mãos grosseiras, a pele acabada, de tanta casa que limpou.
Quando chega a casa ainda vai cuidar da filha que gerou,
A sopa num ápice tragou,
Enquanto a filha o peito mamou,
Mas de tão cansada nem a própria casa arrumou.
Chega o marido, traste, bêbado, canalha, bate-lhe e ela nem notou,
Mais um dia que se passou.
Deitou-se dorida e sonhou,
Sonhou com uma porta enferrujada que sobre ela se fechou
Ali, com uma pedra com o seu nome ela se deparou
E ela finalmente descansou...